Postagens Recentes

03/01/2019

Resenha: Devaneio


Título: Devaneios
Autor(a): Bárbara Ricch
Número de páginas: 402
Sinopse: Um renomado jornalista investigativo, premiado internacionalmente, e no auge de sua carreira profissional, não pensava em relacionamentos sérios, apenas em curtir tudo que a vida de solteiro, bonito e rico lhe proporcionava. Após um acidente que o deixa perdido em uma ilha deserta, Miguel conhece Mariana, uma misteriosa mulher que lhe desperta sentimentos e emoções desconhecidas. Ela o fascina imediatamente, e os dois se entregam ao sentimento de paixão que os arrebata, protagonizando noites quentes e inesquecíveis em uma ilha deserta. Miguel é resgatado, e todas as evidências da existência de Mariana, desaparecem com ela. Ele tem certeza do que viveu, mesmo tudo e todos indo contra suas lembranças. Certo do que viveu na ilha, o jornalista iniciará a investigação mais importante de sua vida, em busca da sua amada. Mas, será mesmo que Mariana existe ou tudo não passou de um Devaneio?
 
''Minha mãe, sabiamente me batizou como Miguel, porque sabia exatamente quem eu seria no futuro. É, leitoras, esse sou eu, aquele que não é Deus, mas é tão perfeito como se fosse o próprio criador, aquele que sempre sabe o momento exato de agir e tomar sempre as decisões mais acertadas, muito prazer, sou Miguel Novaes!''

Amores, já vi muito personagem egocêntrico, mas Miguel Novaes, sem dúvidas, conseguiu um lugar alto na lista. Fiquei chocada quando dei início a leitura, porque, para mim, realmente foi uma completa surpresa. Dizer que o personagem é um homem altamente metido é o mínimo. Acho que não conseguiria descrever o quanto ele se acha, se bem que esse quote que deixei aí em cima dá para ter uma leve impressão, não é?

Miguel Novaes é um jornalista investigativo altamente renomado, sempre desvendando casos complicadíssimos que o deu a devida fama. No campo profissional, sua vida segue sem grandes problemas e no campo amoroso ele também não tem nenhuma queixa a fazer. Sexo é tudo que importa pra ele e isso ele tem. Contudo, antes mesmo de adentrar na história, sinto necessidade de explanar um pouco mais acerca da personalidade do referido personagem.

O jornalista é um homem nada modesto. Tudo bem, ele não tem que ser, cada um tem ciência do seu valor. Ocorre que, a questão não é ser modesto, ele simplesmente possui um olhar de superioridade. Em suas falas, podemos sentir que ele descreve os acontecimentos como quem olha por cima, achando que todas as outras pessoas não se encontram no seu nível. Nada agradável, eu sei.

Ainda frisando esse ponto, é possível notar uma certa infantilidade no tocante às descrições que faz, seja de si, seja de acontecimentos próximos. Ele não falava por maldade. Chega até a ser engraçado, na verdade. Por outro lado, me choca uma pessoa ficar repetindo o quanto é gostoso e que todas as mulheres que passaram em sua vida não têm do que reclamar, pois já foram agraciadas, leiam bem, agraciadas, por terem tido a honra de conhecê-lo. Chega a ser cômico mesmo.

''Óbvio que também terão momentos de muito aprendizado, isso mesmo, como homem cafajeste que sou, darei algumas lições valorozas, tomem nota, leitoras.''

Como eu disse anteriormente, ele não é uma pessoa ruim, mas precisa sim abaixar um pouco a bola e colocar os pezinhos no chão.

''Desculpe as leitoras que já me amam até agora, mas meu coração não tem rumo e minha razão o acompanha, então não morram de amores por mim. Pensando bem, podem me amar sim, que eu gosto da mulherada me desejando.''

Meu querido, a última coisa que eu estaria agora seria morrendo de amores por você. Baixa um pouco a bola, Miguel. Vou logo começar a falar logo do desenvolvimento do enredo, porque senão acabo fazendo essa resenha inteira apenas falando do egocentrismo do personagem. 

Um acidente o deixou perdido numa ilha deserta e lá é onde ele conhece a Mariana, que rapidamente chamou a sua atenção. Ah, a leitura não é ele se referindo aos leitores o tempo inteiro, como nos quotes que mostrei acima, isso acontece apenas em alguns momentos e eu resolvi colocar. Pois bem, como eu ia dizendo, devido a esse acidente, Mariana entrou inesperadamente na sua vida e depois de um tempo curto ambos se envolveram.

Nem numa ilha deserta os mistérios deixam a vida de Miguel. Como ele foi parar ali é algo que não se recorda. Quem seria Mariana é uma verdadeira incógnita, uma vez que a mulher não revela praticamente nada da sua vida. Qual a razão disso? Então, quando num dia acorda e não mais se depara com ela, mas sim com um regaste, é exatamente ali que ele vai começar a maior investigação da sua vida. Mariana sumiu. Não há resquícios dela em nenhuma parte e todas as lembranças que ficaram estão apenas em sua cabeça. E em seu coração. Pois é, adentrou o lugar que ele dizia ser inacessível.

Acontece que esse sentimento repentino de Miguel não me convenceu. Não é que as pessoas não possam mudar seus conceitos, mas me pareceu tudo muito rápido. Ele mudou radicalmente certos pensamentos que tinha por causa da Mariana.

''Se tem algo que odeio é escândalo, ainda mais quando sou o centro das atenções. E quando envolve o sexo frágil, aí fode tudo! Nessas horas, de frágeis, elas não têm nada. Mulher com raiva é foda, mas foda ao cubo é a ex irada.''

E os mistérios não deixam de rondar a vida de Miguel. A questão não passou a ser apenas encontrar Mariana, mas sim, todo os problemas que a envolviam e a fizeram agir da forma que agiu. É uma personagem com um passado turbulento e o destino os uniu porque ambos precisavam do outro.

O jornalista investigativo vai mostrar que os títulos que recebeu não foram à toa, revelando os segredos por trás das menores brechas, nem que para isso tivesse que correr riscos. Sim, há perigo ali. Devaneio é um romance envolvido com o suspense da investigação - e essa investigação não é apenas a procura por aquela mulher. Traz revelações que realmente pegam o leitor de surpresa. Também não posso deixar de falar que ele é bem protetor e se tornou uma pessoa bem melhor. O amor faz milagres. Conheciam?

29/12/2018

Resenha: A esposa do rei


Título: A esposa do rei
Autor(a): M. Okuno
Número de páginas: 314
Sinopse: Ela não queria nem um príncipe, muito menos um Rei. Mas por ironia do destino, ou pela Lei de Murphy, um soberano, para lá de irresistível, cruzará o seu caminho. Já imaginou ser levado por um buraco de minhoca para outro planeta? Pois é. Everlin também não. No entanto, após um grave acidente de avião, o que era para ser o fim de sua história, se transformou no início de uma grande aventura. Em outro planeta, Everlin se tornará “A Esposa do Rei” e descobrirá que a Terra e este estranho mundo estão mais conectados do que imaginava. E que a disputa pela ponte “Einsten-Rosen” poderá significar o fim dos dois mundos. Durante essa jornada inesquecível, descobrirá um mundo maravilhoso, pelo qual dará tudo de si para proteger e entenderá que, mesmo constantemente se afastando do amor, o amor jamais se afastará dela. Apaixone-se por essa história de amor que transcende o tempo e o espaço.
 
''Sonhei com você assim essa noite e queria ver como ficava de verdade.''

Vejamos como eu poderia começar falando acerca da obra ''A esposa do rei''. Sabe aquele livro que você termina a leitura com um sorriso no rosto? Surpreendeu todas as minhas expectativas. Finalizei com uma satisfação e isso foi algo tão bom pois eu senti que estava precisando disso. Há tempos eu não lia algo que me deixava tão contente.

Sem dúvidas, o livro é muito mais que essa capa maravilhosa que vocês estão vendo aí. Na realidade, se eu for mencionar a questão de capa depois de ter lido todo o conteúdo da obra, eu posso afirmar, sem nenhum resquício de dúvida, que, apenas por ela, você não vai ter noção de um terço da história. Não vai. Porque é muito, muito mais do que realmente deixa transparecer. Vocês precisam ter noção da profundidade de ''A esposa do rei''.

Até eu me vi surpresa quando terminei a leitura com aquela animação. Li em algumas horas nessa manhã e devo confessar que as últimas páginas foram passadas vagarosamente pois eu não queria finalizá-lo. Você se apega aos personagens facilmente. A autora soube trabalhar muito bem na construção do enredo, tendo em vista o fato de não ser, em momento algum, uma leitura enfadonha. Pelo contrário, cada parágrafo te faz ansiar por mais.

Em um grave acidente que mudou a sua vida, Everlin acabou parando em um outro mundo e situações inesperadas a fizeram se tornar a esposa do rei. Uma das, na verdade, mas explicarei isso mais à frente. Quando falo de outro mundo me refiro à outro mundo mesmo. A personagem é transportada para um lugar completamente diferente da Terra e, por pouco, ela pode jurar que está quase enlouquecendo.

Um dos fatores mais interessantes é que o leitor realmente consegue se conectar com o que está lendo, a descrição dos fatos se dá com uma narrativa que não deixa a desejar no tocante aos detalhes. Assim como há pessoas boas e ruins por aqui, não é de se estranhar que também existe esse tipo de gente no ambiente em que a Everlin caiu de paraquedas.


''Naquela hora eu passei a acreditar que cada indivíduo no Universo tem mesmo o seu ''carma'', mesmo que a vida passe e você, por algum toque do destino, acabe não esbarrando nele. E eu, com os devidos créditos ao Murphy mais uma vez, tinha encontrado o meu. O desafio consistia em descobrir um jeito de me livrar dele.''

Everlin é uma personagem divertida e muito decidida. Para salvar uma amiga que anteriormente a havia salvo (já nesse novo mundo) e estava prestes a se casar, ela não pensa duas vezes em ir em seu lugar para se tornar uma das esposas do rei, como pagamento de uma dívida. Sim, em seu harém haviam exatamente setecentas e onze esposas - não contando ainda com ela, é claro.

A implicância que sentiu por ele foi imediata, pelos fatores que julgava antes mesmo de sequer conhecê-lo. O rei Sete é um homem encantador e, em alguns momentos, dá simplesmente vontade de entrar no livro e fazer com que a mocinha seja ao menos um pouco mais educada com ele. Não acho que ele sempre merecia aquele tratamento que lhe era dado. Mas, ainda assim, uma série de foras era o que recebia.

A obra não cai na monotonia, há sempre várias coisas acontecendo e tudo numa sequência linear muito bem encaixada. Everlin não desiste de tentar voltar para casa. Afinal, se entrou naquele mundo, presume-se que também consegue sair - o que a faz pensar nas diversas maneiras de pôr seus planos em prática.


''Dar adeus à vida é algo extremamente doloroso, quando se tem algum tempo par se conscientizar da iminência da morte.''

Outro fato importante se dá que, durante a leitura, há algo em específico que fazemos uma certa ideia, mas, ainda assim, mesmo tendo conhecimento disso, continuamos ansiando pelo momento e ele continua sendo uma completa surpresa. Entenderam? Você tem ideia de qual é o segredo, mas não sabe como ele será revelado. Continua sendo uma novidade, em todo caso. 

Um dos livros mais legais que li ultimamente. Estava sentindo falta de ler algo assim. Você ri, torce por eles e não tem como evitar não se apaixonar pelo Sete. Não o julguem pelo que parece ser, há sempre um motivo relevante por trás e ele é um amor de pessoa. Eu amei esse personagem. Quero um desses, como faz?

A autora está de parabéns pela obra. Mesmo. Você termina o livro querendo muito mais. A leitura é prazerosa, flui rapidamente e tem aquela fofura que dá vontade de você sair indicando para todo mundo. Preciso já de uma continuação. 

27/12/2018

Resenha: A flor cor de rosa


Título: A flor cor de rosa
Autor(a): Ana Souza
Número de páginas: 200
Sinopse: A belíssima e obstinada advogada Clarisse Marins, foi convidada para recepção do famoso Maximiliano Menegathy, que chegou ao Brasil depois de sua temporada de estudos no exterior. A curiosidade que move ambos, se torna uma arrebatadora e intensa paixão, movida por suas semelhanças e aguçada por suas diferenças. A liberdade de Clarisse... A possessividade de Max... 

Batalhadora, decidida e intensa, Clarisse se vê assombrada pelos seus demônios do passado e sente seu relacionamento ameaçado, quando chega a hora de revelar toda sua verdade.
 
''As pessoas são assim, doutora, sempre arranjam alguém para colocar a sua culpa, quando não pode suportá-la.''

Quando iniciei a leitura de ''A flor cor de rosa'' não fazia ideia das surpresas que me aguardavam. O livro faz parte da série ''As flores da Índia'', que tem sua continuação prevista para ser publicada no final de janeiro de 2019, está bem pertinho. 

Logo a princípio, somos apresentados à Clarisse Marins, uma advogada independente que parece ter sua mente completamente focada no trabalho. Sua vida cruza com a do Maximiliano numa festa que fora feita unicamente para sua recepção, uma vez que ele havia passado um período de tempo fora e agora encontrava-se retornando para integrar a equipe do escritório de advocacia da família Meneghaty.

O primeiro contato entre os personagens nota-se claramente que a atração que Max sentiu foi instantânea, pois sua curiosidade e atenção ficaram compenetradas naquela mulher que havia conquistado o respeito e carinho da sua família. Alguns momentos me deparei com descrições e diálogos um tanto clichês, mas nada que prejudique a leitura.

Conforme dito anteriormente, o interesse do recém-chegado é imediato e visível, desse modo, sabendo das investidas do irmão, Mike tenta alertá-la de que Maximiliano não era o homem ideal para ela, tendo em vista não só seu histórico, mas por saber realmente quem ele era. Eis a questão: Mike falava a verdade ou isso era apenas para afastá-los por ciúmes, por também ter caído nos encantos da moça e não aceitar perdê-la para seu irmão que mal chegou? É algo que só saberão lendo.


''- Se a pessoa não está ao seu lado, é porque ela não vale a pena, não se pode mandar no sentimento alheio, Max, se a pessoa não quer, está no direito dela.''

A autora tem uma escrita bem leve, é uma leitura fácil e rápida. As cenas de sexo estão mais detalhistas do que costumamos ver em obras nacionais, e isso, pelo menos para mim, não é problema, mas sei que muita gente acaba se incomodando quando os livros são descritivos nesse contexto. Se for para você, apenas passe a página.

- O que significa esse olhar, Max?
- Significa que eu quero você, muitas vezes, Clarisse.

O livro é dotado de momentos inesperados. Pontos que julgo importantes de serem ressaltados: A atitude da personagem de ter que sair contando aos amigos tudo o que aconteceu ou deixou de acontecer entre ela e Max não é algo que me agrade. Senti em sua fala como se isso fosse uma obrigatoriedade e achei um tanto infantil. Contudo, em momento algum o livro foca nessa construção, foi apenas uma pequena passagem que me chamou atenção.

Ademais, Maximiliano revela-se um homem possessivo e extremamente machista. Sim. Muito machista. Lia certos comentários feitos pelo personagem e não acreditava naquilo. Muito bom a autora ter frisado determinados comportamentos abusivos, pois é um tema que serve de alerta para quem está lendo esta obra. 

''É por isso que eles a chamam de Papoula, não é? Porque você é linda e perfeita, mas se chegar perto demais a gente vicia, igual à droga que é extraída da flor, e você rouba tudo, o sono, a alegria, a paz, é por isso, não é, doutora?''

Em vários momentos senti bastante a falta da vírgula antes do vocativo, nos quotes acima, por exemplo, coloquei. Isso é algo que merece cuidado, pois a falta de uma pode acabar mudando por completo o contexto de uma situação. 

É um livro que, embora talvez não aparente tanto, te faz refletir bastante. Sobre a vida, sobre os comportamentos não só que você tem, mas também sobre aqueles que você permite que as pessoas à sua volta tenham com você. Quais atitudes você suporta? Te faz pensar sobre as escolhas que você tem que fazer para a sua vida, onde você deve equilibrar e ter ciência daquilo que é mais importante. Realmente valeria a pena abdicar de certas coisas em função de outras? E como é crucial termos ao nosso lado pessoas que, de fato, se importem conosco. Gente que podemos contar seja qual for a situação. 

O final nos pega com um baque. Literalmente. Só posso dizer que a continuação é necessária. 

20/12/2018

Resenha: Doce amargo II


Título: Doce Amargo - Livro II
Autor(a): Evelyn Santana
Número de páginas: 508
Sinopse: Para Melinda Blackwell, descobrir que seu casamento era apenas uma farsa foi a coisa mais dolorosa que poderia ter lhe acontecido. Os beijos que ela tanto amava, os toques que a enlouqueciam… nada disso era real. Ela não teve escolha, a não ser pedir o divórcio. Agora precisava seguir em frente, dando tudo de si para que a dor que Robert lhe causara não a transformasse numa pessoa irreconhecível. Enquanto Linda batalha para reconstruir sua vida, Robert se dá conta de quão errada a vida dele parece sem a esposa ao seu lado. Sozinho na mansão Blackwell, sem nunca ter alguém com quem dividir um momento importante, ele é frequentemente transportado para os dias leves e felizes que Linda costumava lhe oferecer. Em meio a tantos desencontros e desilusões… haverá espaço para o amor?
 
''Uma mulher que se entrega de corpo e alma para um homem como Linda se entregou a ele... Não. Ela não tinha esquecido. Nenhum dos dois jamais esqueceria. E talvez por isso doesse tanto.''

Por muito tempo eu adiei essa resenha. Ocorre que, falar sobre uma obra da Eve ao mesmo tempo em que flui naturalmente é também algo muito difícil, pois traz consigo um elevado grau de responsabilidade. Ela é uma autora que sempre trouxe tudo muito milimetricamente calculado. Você passa os capítulos de sua obra e não encontra um ponto que tenha sido desnecessário de ser colocado. Ele está ali. Ele faz diferença por estar. Isso é muito importante na construção de um enredo porque uns dos pontos mais chatos numa leitura se dá no tocante a existência de detalhes exacerbados apenas para preencher as páginas. Isso não é agradável.

Quando Melinda descobre que seu casamento fora fruto de uma farsa sua vida gira de cabeça pra baixo. Qual a razão de ser justamente ela? Algo que viveu com Robert realmente havia sido real ou isso também fazia parte de uma espécie de contrato? Dúvidas permeavam a sua mente e a dor que tomou conta da Sra. Blackwell era capaz de destruir os sentimentos mais puros que um dia ela trouxe dentro de si.

Melinda é uma personagem mais forte do que imagina. Passar por toda aquela situação e ainda conseguir manter-se firme foi algo admirável. A forma como ela lida com seu sofrimento nos convence. Isso não fazia dela uma pessoa fria. Fazia dela uma mulher inteligente. Seus pensamentos deixam claro que a última coisa que ela iria querer que alguém sentisse de si era pena, e esse pensamento é um dos traços mais marcantes da personagem. A dor a tornou uma pessoa mais forte. Sua visão poderia estar embaçada com o impacto de tudo, mas ela resolveu fazer algo a respeito. A decisão de buscar fazer algo por si e a sobriedade de saber que a sua vida não deveria parar por causa daquele término é excelente. Melinda nunca que iria sustentar uma farsa para manter um status de relacionamento que não mais existia. Acabou? Acabou. Ela não iria manter as aparências. E isso é ótimo, pois algumas pessoas esquecem o conceito de fim. Não dá para seguir em frente com esse peso do passado.

''Ela se prometeu uma vida nova e, para isso, precisava de atitudes novas. Não dava para agir do mesmo modo de antes e esperar resultados diferentes, ela bem sabia, por isso estava fazendo sua parte.''

Lembro do tempo em que ficávamos conversando acerca de DA (anos atrás), e, embora todas as circunstâncias apontassem contra o Robert, eu sempre ousava em defendê-lo - buscando algo de bom dentro dele. Eve, você deve estar se perguntando, eu ainda faria isso agora? 

Parte de mim poderia frisar a quantidade absurda de erros cometidos por ele, mas acredito que esse tenha sido um dos toques diferenciais de Doce Amargo. Os personagens são reais. É a verdade crua. É a descrição exata. Não é nada abafado ou amenizado para que tudo fique fofinho. São dois personagens maduros, que erram (o Robert, principalmente, é óbvio), mas que buscam aprender algo com isso. Várias atitudes dele me irritaram, mas a evolução dele é gritante. E isso foi algo que ELE fez por ele. Ele buscou melhorar. Ele melhorou. É um homem decidido. Então sim, se antes eu já via algo bem, agora continuo.
''Não existe um nós. - eu o lembrei, sentindo a ferida cicatrizada começar a ser aberta. - Existe a minha vida e a sua, e não vejo como isso possa interessar o outro.''

E o livro é cheio de reviravoltas. Muitas. Várias situações nos pegam de surpresa e isso foi algo que merece destaque. Você continua torcendo pelo casal. Há muita dificuldade envolvida, drama, mas há também uma superação. Eve tem uma escrita muito madura, sempre teve. Ela escreve com propriedade e isso é ótimo, pois claramente vemos que ela adentra universos que sabe explorar. É uma leitura que instiga. 

As palavras dele eram tão sinceras, ao menos pareciam ser, que me balançaram por inteira dentro. Menos de quatro meses atrás elas teriam feito com que eu me jogasse em seus braços sem pensar em mais nada, porque minha confiança nele era resistente como uma muralha. No entanto, mesmo muralhas poderiam ruim, e ali estava eu, imóvel como uma estátua, um ser inanimado.'' 

Você pode encontrar a duologia Doce Amargo lá na Amazon. Já conheciam?

02/11/2018

Era eu por nós e você apenas por si


Não foi por acaso. Você pode dizer que foi. Você pode fingir que foi. Você pode repetir mil vezes a mesma mentira para ver se ela acalenta seu coração. Uma pena que te doa. Mas, você sabe, não foi coincidência. O acaso realmente existe? Eu aposto que não. 

Pensar em você vem com aquele gostinho de nostalgia, algo que ficou para trás, mas que ao mesmo tempo se faz tão presente. 
Aqui. Agora. 
Parece que meu interior se apegou aos mínimos resquícios. 
Que perigo!

É que, embora você tenha ficado lá, esse lá é perto, porque eu te mantive aqui. Firme. Imponente. 
O erro foi meu por saber que você estava indo embora, mas, ainda assim, ter te deixado com a chave para entrar. 
Assim, quando quisesse. 

Pensar em você vem com aquela sensação de algo que deixei passar. Aquele vento forte que chegou bagunçando sem que eu pudesse fazer nada a respeito. Vai ver eu realmente não podia. E foi por isso que caí. 

Já era inerente à mim estar sempre buscando uma solução pra tudo, sempre remediando qualquer problema que aparecesse porque, na minha concepção, poderíamos dar um jeito. Nós poderíamos. Ah, como eu estava enganada. Nunca houve um nós. Enquanto eu segurava a barra por dois, você não pensou duas vezes em soltar a corda e me deixar cair sozinha. E foi aí que notei, infelizmente um pouco tarde, o que já estava bem estampado à minha frente, mas que, no fundo, talvez eu não quisesse acreditar. Acabou. Era eu por nós e você apenas por si. 

Não precisa devolver a chave, finalmente coloquei uma tranca.

27/10/2018

Resenha: A Infiltrada - Infiltrando-se em seu coração


Título: A Infiltrada - Infiltrando-se em seu coração
Autor(a): Natália Marques
Número de páginas: 881
Sinopse: Um ano após infiltrar-se na Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA) e assistir seus planos serem destruídos, a mafiosa Claire Evans não imaginava que sua única chance de fugir dos muros mais bem protegidos do mundo seria confiando sua vida nas mãos do temível generalíssimo Alan Beckert, seu impiedoso treinador de boxe que, por muito tempo alvo de seu ódio, não fora, por muito pouco, alvo de seu revólver. Com sede de vingança graças ao seu passado de mentiras na Máfia Padova, a mais nova Alfa-I do país não saberá decidir o que é mais arriscado: ser perseguida pela NSA e por seus antigos chefes, que querem silenciá-la para sempre, ou enfrentar as consequências de infiltrar-se no lugar mais protegido e perigoso que já confrontara - o coração do general Beckert. A continuação de “A Infiltrada – Infiltrando-se na NSA” segue ainda mais eletrizante em suas páginas de amor e vingança. Repleta de cenas de ação, será um desafio para você, leitor, conseguir largá-las.
 
''Claire Evans concluiu que, se o que sentia naquele momento não fosse o tão famoso amor, ela temeria verdadeiramente senti-lo, pois algo maior do que aquilo seria, no mínimo, mortal.''

Eu sou uma das pessoas mais suspeitas para fazer seja uma resenha ou até mesmo um mero comentário quando o assunto se trata de ''A Infiltrada''. Quem me conhece, sabe que esperei ANOS por esse livro - eu o acompanhava desde a época em que ele ainda era uma fanfic postada no orkut. Acreditam? Faz um tempo aí, viu? E sabe por qual motivo essa resenha sempre foi tão adiada? Porque é muito mais difícil falar de um livro impecável. É muito complicado falar de um livro que você vê todos os pontos tão bem encaixados. Parece que, mesmo que eu passe horas escrevendo essa resenha, ela nunca vai expressar o quão incrível esse livro é. Algumas coisas são assim, consideramos tão perfeitas que não encontramos palavras suficientes para descrever. Posso, pelo menos, tentar, certo?

Esse é o segundo livro de A infiltrada. Em ''A infiltrada - infiltrando-se na NSA'', Claire Evans, membro de uma das máfias italianas mais procuradas, a Padova, infiltra-se na Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos com missões a serem cumpridas que saíram completamente do seu controle. Ela não imaginava que, uma vez lá dentro, o general Beckert fosse ser um grande empecilho para os seus planos.

Por outro lado, o mundo realmente dá muitas voltas, pois o dono daqueles olhos verdes que, outrora era uma completa pedra no seu sapato, agora torna-se, na realidade, sua única salvação.


''Você não tem muito a perder, novato.'' Ele respondeu, não mentindo, nem para salvar seu orgulho, que tudo ocorreria bem. ''É sua única chance.'' E também poderia ser a única dele. A simples ideia de nunca mais poder chamá-la de ''novato'' e ''prepotente'' tornou-se atormentadora, assim como o fato de ela estar longe de seus braços.''
Por isso digo que sou suspeita para falar, AI é, sem dúvidas, minha obra nacional favorita. Quando se trata do assunto da escrita, Natália também não deixou a desejar, a leitura flui naturalmente e não fica cansativa - o que é ótimo, pois a história é complexa e dá para ler sem problemas. É interessante de ver o quanto houve o aprimoramento, ela não escreve algo só por escrever, se aquela palavra não for fazer diferença, ela simplesmente não vai estar lá. Nunca foi de preencher espaços só por preenchê-lo, o preenchimento deve ser necessário. E eu gosto bastante de ver isso, porque sou bem perfeccionista.

O enredo é muito envolvente, a história foge por completo do clichê e você nunca vai saber o que está por vir. Esse era um dos motivos que fazia todos ficarem tão ansiosos para saber o final do livro, porque ninguém podia presumir o que os esperava. Claire teve um passado de mentiras na máfia Padova, máfia esta pela qual o general nutre uma sede de vingança. Ao fugir da NSA, Claire passa a ser uma das criminosas mais procuradas - não só pela NSA, como também por seus antigos chefes - era quase impossível imaginar o que sairia daí.

Pra completar a confusão da sua vida, ela escapa de um dos órgãos mais poderosos e adentra aquele que antes fora tão inabitável - o coração do Beckert (morro com esses dois) e esse acaba sendo o maior desafio da sua vida. A autora desenvolveu um romance onde eles nunca precisaram dizer um 'eu te amo' para expressar que amava. E essa seria uma fala tão atípica deles. Confesso que seria um choque ouvir tais palavras saindo da boca do general ou até mesmo do novato. E o fato delas nunca terem sido ditas, lhes garanto, não fez falta. 
 

Esteja com o coração bem preparado para iniciar a leitura desse livro. Estou contando sem entrar em detalhes porque, caso fosse o contrário, eu ficaria louca da vida se alguém me contasse um mínimo spoiler que fosse de AI. Mas uma coisa é certa, será surpresas em cima de surpresas, ver esses dois se permitindo me enche de orgulho.


''De todas as merdas que você já fez, entrar na minha vida foi a melhor delas. Você me faz sentir vivo, novato.''

A autora foi extremamente inteligente no ponto em que encerrou o livro. Embora eu, obviamente, tenha ficando ansiando por mais, acredito que encerrar naquele ponto foi uma grande jogada da Natália Marques. Explico o que quero dizer. Terminei a leitura desejando bem mais páginas ali pela frente. Entretanto, ao mesmo tempo senti receio de uma continuação que comprometesse algo.

Foi impossível não terminar a leitura já ficando com aquele aperto no peito de saudade. Nem preciso dizer quantas vezes já reli, não é? Voa, novato! Voa, general! E que a verdade seja dita:

Que livro filhodeumpai (entendedores, entenderão). 

 O livro está à venda na Amazon, corre lá!

31/05/2018

Eu quero é fugir da bala.



Ficar nessa situação me mata, mas pensar em ir embora também me parece tão torturante. Me ajuda com uma saída, torna as coisas ao menos um pouco mais fáceis pra mim. Tenho que ir embora. Preciso. Mas meu coração quer tanto ficar. Só tenho duas alternativas, ambas horripilantes. Parece que só me foi dado o direito de escolher qual tiro irá me atingir, eu quero é fugir da bala.


Não consigo imaginar como seria minha vida caso nossos caminhos não tivessem se cruzado. Menos dolorosa, é o que suponho. Contudo, não tão interessante. No fim das contas, ainda estou lidando com os impactos causados, foram esses seus olhos doces que quase quebraram meu coração. Opa, quebrou. 

Não importa o quanto os dias passem, esse famoso tempo não me fez te esquecer, me ensinou apenas a lidar com a situação e por muito tempo achei que isso fosse o suficiente. Mas não era. Colocou ainda mais perguntas em minha cabeça, me deixou trabalhando com várias hipóteses, eu realmente prefiro não me preencher de ilusões.

Eu poderia dizer que te amo tanto, que a melhor escolha seria ficar. Entretanto, é justamente por esse amor ser tão grande, que eu te digo que ele está quase me cegando, não me deixando ver a melhor resposta. Meu coração permanece dizendo que meu lugar é tentando. Garoto, olha minha contradição fundada em dúvidas. Continuo insistindo em ficar aqui, porque sei que, uma vez que eu me vá, não volto mais.